Capítulo #4: A Maneira Correta de Evoluir

— Então finalmente encontrei vida inteligente, huh? — Wang Yuan ficou parado até o último fio de névoa branca ser absorvido do corpo em sua frente, antes de começar a flutuar com lentidão de novo.

A névoa branca estava sendo consumida em uma alta taxa, mesmo se não fosse para debaixo do sol, até se ficasse parado sem fazer nada, ela ainda continuaria sendo usada.

— Se outros fantasmas existem, não consigo imaginar como conseguem viver — enquanto flutuava, Wang Yuan também estava pensando: — É porque esse é um mundo de baixa magia?

Se Wang Yuan não tivesse se conectado coincidentemente com os corvos e reganhado sua consciência, se os corvos não tivessem mutado e o ajudado a caçar outros seres, sua névoa branca já teria acabado várias vezes. Ele não conseguia entender como fantasmas sem consciência eram capazes de sobreviver.

Quanto ao grupo de humanos, Wang Yuan não planejava contatá-los de imediato, porque havia um grande impasse que ele não sabia como superar: a comunicação.

Esse era um mundo diferente, e, apesar de se parecerem com caucasianos, sem um teste de DNA, não havia garantia de que eram da mesma raça humana que Wang Yuan conhecia. Inclusive a língua que eles estavam falando era uma que ele nunca tinha ouvido.

— Pela reação deles, parece que eles têm uma atitude negativa em relação aos corvos — Wang Yuan percebeu que a expressão feita por essas pessoas após avistarem o corvo não foi a de felicidade ao encontrar uma presa, e sim uma de verdadeiro desprezo.

— Um total de oito espécimes, possuem um pouco de perigo aos corvos — ele não ousava agir imprudentemente e perder qualquer um desses treze corvo. Antes de ser capaz de reproduzí-los em massa, todas as suas ações deviam ser muito discretas.

 

 

A natureza de noite era cheia de perigos, não apenas havia inúmeros predadores noturnos. e também a visão dos humanos era bastante limitada. Um homem sem fogo nunca iria acordar para ver a próxima manhã.

O grupo de oito estava reunido ao redor de uma fogueira, com um clima bem pesado. Por alguma razão, o número de animais silvestres que conseguiram achar esse ano foi ridiculamente baixo, mesmo após três dias de caça, o que pegaram só serviu para alimentar o grupo, então como completariam a missão?

— Não pensem muito nisso, todo mundo devia ir logo dormir. Amanhã iremos adentrar mais e com certeza acharemos mais presas. — o barbudo Dax consolou o grupo.

Todos concordaram e foram com velocidade dormir em volta da fogueira, apenas o jovem Comoros não sabia realmente o que fazer. Essa era a primeira vez que foi caçar em missão, era um total novato, o qual não fazia nada além de erros e erros. E contando com a falta de ganhos da viagem, ele estava com uma sensação de culpa.

— Talvez amanhã seja melhor — Comoros se consolou, fechou os olhos e dormiu.

Naturalmente, ele não sabia que não muito longe de onde estava, Wang Yuan estava vagando. A informação reunida dos corvos era muito diferente de "ver" as coisas com por si próprio, então ele teve novas descobertas.

Ele descobriu que havia uma fina camada de névoa branca ao redor do corpo dessas pessoas, só que diferente da que ele absorvia, essa continha um pouco da vontade de seus donos. Além disso, quando Wang Yuan tentou se aproximar, percebeu que a sua névoa branca e a deles estavam se neutralizando.

— O que é isso? Essência Yang?

Wang Yuan nunca tinha visto névoa branca ao redor de outros animais. então não sabia se era algo único dos humanos ou se esses eram especiais de alguma forma.

Ele comandou os corvos para voarem acima do acampamento e derramassem um pouco de "justiça dos céus". Enquanto a substância branca caia, Wang Yuan usou a sua fraca força de interferência para mudar a trajetória, mirando no rosto de uma pessoa, enquanto tinha certeza que um pouco caísse no nariz e boca.

O homem acordou na hora, xingando o tanto o pássaro quanto o seu azar, mas não falou tão alto. Ele contou a quem estava de vigia o que aconteceu antes de se levantar, pegou uma tocha e foi para o rio um pouco mais longe para lavar o rosto.

No caminho, sentiu sua cabeça um pouco pesada, porém não ligou muito, pensando que era só uma gripinha. Depois de confirmar que a água estava limpa o suficiente, encheu as mãos para lavar o rosto.

De repente, sentiu alguma coisa se aproximando por trás. Sentindo problema, ele levantou e pensou em esquivar, mas, assim que tentou, sentiu tontura e não conseguiu colocar nenhuma força em seu corpo.

Um par de garras pretas apertou sua boca e teve certeza que ele não conseguiria chamar por ajuda, enquanto vários outros corvos pegaram os seus membros e o seguraram no chão. Apesar de resistir com tudo, não conseguiu escapar do forte aperto dos corvos.

Wang Yuan olhou para o humano caído de um mundo diferente. observando enquanto o homem ficava cada vez mais fraco, a camada de névoa branca com desejos ao redor de seu corpo também ficou mais fraca, até basicamente deixar de existir.

Um incontrolável vontade veio da alma de Wang Yuan, falando-o para matar imediatamente aquela pessoa.

Sem hesitar, Wang Yuan ordenou que os corvos agissem. Conforme os bicos afiados perfuravam de novo e de novo o seu pescoço, a garganta do homem foi aberta, e ele foi morto em meros segundos.

Uma grande quantidade de névoa branca escapuliu do corpo do homem. Havia tanta que a quantidade absorvida por Wang Yuan em alguns segundos era o suficiente para aguentar por um dia inteiro, e ainda havia mais saindo...

Nesse momento, Wang Yuan teve um flashback, um flashback de quando sua alma ainda estava inconsciente.

Quando ele "acordou", conseguiu sentir que cerca de quarenta a cinquenta porcento de si tinha desaparecido e o resto também teria o mesmo destino. No entanto, graças à grande quantidade de névoa branca que saiu de seu próprio corpo morto, foi capaz de não dissipar.

Ao mesmo tempo, um pouco das memórias pertencentes a essa pessoa estavam lentamente sendo absorvidas e assimiladas a alma de Wang Yuan.

Além da névoa branca, também havia um pouco de aura, similar a aura gélida dos corvos que ia para sua alma, curando-a constantemente. Porém, havia algo misturado com essa aura gélida.

— Por que eu tive de morrer? Por fui eu que morreu?

— Eu ainda quero viver, leve os outros!!

A parte mais óbvia do que absorveu foi a das memórias dessa pessoa antes da morte, junta de várias emoções: raiva, ressentimento, relutância, medo e também um grande amor e ódio pela vida.

— O meu alcance de percepção e de interferência foi bastante aumentado e agora consigo compreender a língua local — sentindo as memórias do homem morto e a sua alma se recuperando, Wang Yuan pensou entusiasmado: — Essa é a maneira correta de uma alma remanescente evoluir.

— Se eu matar as outras setes pessoas, será o suficiente para completar a minha alma? — a névoa branca ao redor de Wang Yuan reagiu a suas emoções e tornou-se um pouco vermelha.

As memórias e emoções do homem estavam erodindo Wang Yuan, enviando pensamentos para massacrar as outras pessoas a fim de diminuir a sua animação. porém ele rapidamente ignorou tais pensamentos tolos.

Se fosse o meu eu inconsciente de antes, talvez tivesse seguido esses pensamentos e cometido um genocídio nas áreas próximas. Entretanto, graças ao suporte dos corvos, Wang Yuan ainda estava consciente. E ele sabia que se continuasse matando por impulso, iria se tornar de novo um fantasma irracional que só sabe matar. Por isso conseguiu aguentar o impulso de matar.

keyboard_arrow_left Anterior Próximo keyboard_arrow_right
Você pode usar o atalho Ctrl+ ou Ctrl+ para navegar entre os capítulos

Olá, deixe seu comentário sobre o capítulo A Maneira Correta de Evoluir

Enviando Comentário Fechar :/