Capítulo #2: A Alma Remanescente

Na natureza selvagem, bastante corpos de animais apareceram por perto de um corpo humano em decomposição, transformando o local em um pequeno cemitério.

Se alguém tivesse algum tipo de "visão espiritual, conseguiria ver uma massa, similar a um mosaico, vagando pela área. Ela podia ser vagamente vista como uma silhueta humanoide, com uma pequena névoa branca flutuando ao redor e sendo absorvida dos corpos ao redor, tornando-se mais sólida.

— Cuá, cuá, cuá! — um bando de corvos podiam ser visto de longe, aparentemente atraídos pela carniça abaixo, já que começaram a bicar os corpos.

A massa humanoide parou de vagar e encarou esses corvos. A mente ainda caótica dela entendeu que daqui a pouco essas criaturas também morreriam, então poderia absorver mais névoa branca.

Ela sabia instintivamente que a névoa era essencial, assim esperou silenciosamente pela morte dos corvos.

Como esperado, não muito tempo depois de bicarem e consumirem os corpos mortos, os pássaros grasnaram e caíram.

No entanto, mesmo após esperar, a massa não conseguia sentir qualquer névoa saindo dos corpos dos corvos. Na verdade, começou a sentir uma conexão se formando com eles enquanto se levantavam de novo e continuavam a bicar as carniças.

A figura humanoide estava bem mais sólida, manifestando lentamente a aparência original de Wang Yuan, sua consciência também estava ficando mais clara.

Por exemplo, ele se lembrou de seu nome, o porquê de estar aqui, o estado em que estava e até conseguiu pensar normalmente.

— Meu estado atual, de acordo com o senso comum, deve ser o de um fantasma — Wang Yuan aceitou com facilidade o fato de ter morrido e ser transformado em um fantasma. Isso era porque, apesar de se lembrar de várias coisas, tinha perdido outros aspectos, não foi simplesmente a vida que perdeu.

Por exemplo, o seu "eu" atual conseguia assistir com calma os corvos bicarem e comerem o seu próprio corpo, sem nenhuma reação psicológica ou física como sentir náuseas ou irritação. Se fosse o seu "eu" antes da morte, já teria corrido há muito tempo apenas pelos corpos podres.

Sua mente agora estava conectada a outras 13 fracas, constantemente enviando uma aura gélida a ele, graças a essas auras que Wang Yuan conseguiu despertar.

Essas 13 mentes fracas eram os 13 corvos que estavam bicando o seu corpo. As penas deles estavam começando a cair, enquanto uma penugem preta estava crescendo lentamente, até os corpos pareciam ter crescido.

Os germes que mataram Wang Yuan não mataram esses corvos, na verdade, causaram uma mutação e conectou a mente deles a Wang Yuan por alguma razão.

Por meio da conexão entre eles, Wang Yuan conseguia enviar comandos aos corvos, porém apenas os mais simples. Por exemplo, voe até aquela pedra. Um comando complexo como "dance" não seria realizado, já que não compreendem o conceito de dança.

No entanto, Wang Yuan não estava com pressa, ele se lembrava de alguns documentários e artigos, os quais diziam que o passáro mais inteligente não era o papagaio que conseguia reproduzir palavras, e sim os corvos. Pequenos contos que aprendeu quando criança, como o "O corvo e o jarro", já demonstravam a complexidade dos corvos. Apesar de serem muito menores do que um cachorro, a capacidade mental de um corvo não era muito diferente deste.

Após pouco tempo de treino, esses corvos mutantes com certeza iriam conseguir entender e seguir mais de seus comandos. Além disso, o mais importante era que Wang Yuan conseguia descobrir o que os corvos viam e escutavam pelos seus pensamentos.

— O mais importante agora é juntar mais comida — Wang Yuan estava extremamente sério, conseguia sentir que a sua alma estava envolta por uma camada de névoa branca que o protegia, mas ela estava sendo constantemente exaurida e, quando acabasse, sua alma ficaria exposta.

Ele não sabia o que aconteceria se sua alma fosse exposta, entretanto, pela seu senso de urgência instintivo, sabia que isso não seria bom.

O contratempo que estava enfrentando agora era que essa região tinha se tornado mais ou menos uma zona morta. Além dos 13 corvos e microrganismos, não havia outros seres. As carniças ao redor não conseguiriam o fornecer muito mais da névoa branca e, após ela acabar, era muito provável que Wang Yuan iria desaparecer.

— Felizmente, não sou como os fantasmas e assombrações do folclore que desaparecem de imediato sob a luz do sol. Graças a névoa branca, posso aguentar um tempo. Claro, também pode ser que a luz do sol desse mundo é diferente do meu antigo. — Wang Yuan se consolou enquanto olhava para o sol se pondo ao oeste, o qual pintava o céu de vermelho.

— Por causa disso, o objetivo agora é procurar mais seres vivos para juntar mais névoa branca, e não só para mim, esses corvos também precisarão de mais comida. — a aura gélida que os corvos estavam transmitindo para ele era ainda mais essencial do que a névoa branca. A névoa branca só conseguia proteger sua alma, enquanto a aura gélida conseguia a reforçar. Claro, a quantidade de aura que esses corvos podem me dar diariamente é limitada.

Como Wang Yuan continuou a se analisar de novo e de novo, aos poucos entendeu suas habilidades. Ele não era nada além de uma alma, então os sentidos da visão, audição e tato, eles eram substituídos por um tipo de barreira esférica ao seu redor. O limite dessa barreira era de cerca de 3 metros. nos quais conseguia "ver" e "ouvir" tudo, mas se tocasse em um objeto sólido, o alcance de sua percepção diminuía drasticamente.

Por exemplos, só conseguia sentir até dez centímetros abaixo do solo, sendo esse alcance só possível porque havia espaços e rachaduras para penetrar. Quando Wang Yuan tentou sentir uma pedra, seu alcance foi reduzido para apenas um centímetro.

Ademais, a sua velocidade máxima era equivalente a uma caminhada normal de um humano. A habilidade de Wang Yuan de interagir com o seu arredor vinha somente de uma força da sua alma. Essa força interativa era equivalente a telecinesia, contudo, nesse momento, era muito fraca. Além de usá-la para se movimentar, o máximo que conseguia fazer era balançar algumas folhas, o alcance era o mesmo da sua percepção.

— Que estado patético. — Wang yuan sabia claramente que o seu estado atual eram resultados de sua própria estupidez, e lições assim são apenas aprendidas uma vez: — O que estou dizendo? O que não me mata só me fortalece.

Após um período de tempo desconhecido, Wang Yuan olhou para os ossos espalhados pelo chão e percebeu que a mutação dos corvos tinha acabado. Cada um deles se tornou de duas a três vezes maior, com suas penas pretas de volta, com seus bicos e garras brilhantes, o que indicava o quão afiados estavam.

— Vamos, encontrem um lugar onde há mais seres. — A alma remanescente lentamente flutuou enquanto os 13 corvos a seguiam. Com uma rajada de ventos do outono, a grama alta dobrou um pouco, escondendo ligeiramente os ossos brancos. Talvez, em um ou dois anos, eles se tornem nutrientes para a grama crescer.

Nesse ponto, ninguém saberia o ocorrido aqui. E a jornada da alma remanescente de Wang Yuan tinha apenas começado.

keyboard_arrow_left Anterior Próximo keyboard_arrow_right
Você pode usar o atalho Ctrl+ ou Ctrl+ para navegar entre os capítulos

Olá, deixe seu comentário sobre o capítulo A Alma Remanescente

Enviando Comentário Fechar :/